Entenda por que a Col√īmbia autorizou uma mulher que n√£o tem doen√ßa terminal a ter eutan√°sia neste domingo

Paciente de 51 anos tem esclerose lateral amiotrófica (ELA). Decisão inédita foi muito criticada pela Igreja Católica, bastante presente no país sul-americano.

Por Adm em 09/10/2021 às 07:40:39
Martha Sepúlveda, colombiana que decidiu pela eutanásia, dá entrevista à TV colombiana Foto: Federico Redondo Sepúlveda Reprodução Twitter

Martha Sepúlveda, colombiana que decidiu pela eutanásia, dá entrevista à TV colombiana Foto: Federico Redondo Sepúlveda Reprodução Twitter

Est√° marcada para este domingo (10), às 7h (hora local, 9h em Bras√≠lia) a morte de Martha Liria Sep√ļlveda. Com esclerose lateral amiotrófica (ELA), colombiana de 51 anos é a primeira pessoa sem estado terminal a ter a eutan√°sia autorizada na Colômbia.

A eutan√°sia, ou morte assistida, é legalizada na Colômbia desde 1997. O pa√≠s, ali√°s, foi o primeiro na América do Sul a legalizar o procedimento. Porém, a pr√°tica valia apenas para pacientes que tivessem doen√ßas terminais — ou seja, seria uma forma de abreviar o sofrimento da pessoa em situa√ß√£o j√° irrevers√≠vel, se assim fosse a decis√£o dela.


Em julho de 2021, a Corte Constitucional — equivalente ao Supremo Tribunal Federal no Brasil — aprovou a extens√£o do acesso à eutan√°sia para pessoas que n√£o estejam em estado terminal. A decis√£o foi autorizada por 6 votos favor√°veis e 3 contr√°rios.

A decisão estende a eutanásia "sempre que o paciente padecer de um intenso sofrimento físico ou psíquico, proveniente de lesão corporal ou doença grave e sem cura".

É a√≠ que entra a situa√ß√£o de Martha, com esclerose lateral amiotrófica (ELA). Em entrevista à emissora de TV colombiana Caracol, ela relatou sentir dores e ter perdido o movimento das pernas, o que a atrapalha na vida cotidiana.


J√° em julho, pouco depois da decis√£o da Corte, Martha solicitou a autoriza√ß√£o e conseguiu. Primeiro, gostaria que a eutan√°sia fosse aplicada em 31 de outubro, mas preferiu antecipar para 10 de outubro — ou seja, este domingo — para as 7h, hora em que costumava ir à missa.

O que é eutan√°sia e onde mais ela é legalizada?


Protesto contra o projeto de eutan√°sia em Madri, em 17 de dezembro de 2020 — Foto: Susana Vera/Reuters

Protesto contra o projeto de eutan√°sia em Madri, em 17 de dezembro de 2020 — Foto: Susana Vera/Reuters



Poucos pa√≠ses autorizam a eutan√°sia ativa, que é quando a equipe médica em comum acordo com o paciente e/ou a fam√≠lia ativamente interrompem a vida do doente para abreviar o sofrimento.




O procedimento é diferente do suic√≠dio assistido, quando uma pessoa sem doen√ßa procura aux√≠lio médico para morrer por livre vontade, e da eutan√°sia passiva, que é a interrup√ß√£o do tratamento que mantinha o paciente vivo.

Também é completamente diferente dos cuidados paliativos, ou seja, quando procedimentos mais invasivos deixam de ser feitos para prolongar a vida do paciente e os cuidados s√£o mantidos para que o tempo restante de vida da pessoa ocorra sem dor e maiores sofrimentos, muitas vezes fora do ambiente hospitalar.

A eutan√°sia ativa é legalizada nos seguintes pa√≠ses:

  • Bélgica
  • Canad√°
  • Colômbia
  • Estados Unidos (alguns estados)
  • Espanha
  • Holanda
  • Luxemburgo
  • Nova Zel√Ęndia

'Deus n√£o me quer sofrendo'

"Sou uma pessoa católica, me considero alguém que cr√™ muito em Deus, mas, repito, Deus n√£o quer me ver sofrer e acredito que n√£o quer ver ninguém sofrer. Nenhum pai quer ver seus filhos sofrerem", disse, em entrevista à emissora colombiana Caracol.

"Para mim, a morte é um descanso", emenda.

Martha Sep√ļlveda e o filho Federico conversam com a TV colombiana: Martha decidiu pela eutan√°sia por sofrer com dores e perdas de movimento causados pela ELA — Foto: Federico Redondo Sep√ļlveda/Reprodu√ß√£o/Twitter

Martha Sep√ļlveda e o filho Federico conversam com a TV colombiana: Martha decidiu pela eutan√°sia por sofrer com dores e perdas de movimento causados pela ELA — Foto: Federico Redondo Sep√ļlveda/Reprodu√ß√£o/Twitter

Por ser católica, ali√°s, a decis√£o de Martha encontra muita resist√™ncia dentro da Igreja, que costuma se posicionar contra a pr√°tica. Questionada pela TV colombiana como lida com isso diante de padres, ela responde:

"A resposta [que dou a eles] é a mesma: fa√ßo isso porque estou sofrendo e porque creio em um Deus que n√£o quer me ver assim. Para mim, Deus est√° me permitindo isso, ent√£o se gosta de mim, n√£o gosta de me ver nesta situa√ß√£o", justifica.

Martha, ent√£o, tenta aproveitar os dias que lhe restam com cerveja e comida, na companhia da fam√≠lia. "Estou mais tranquila desde que autorizaram o procedimento. Rio mais, durmo mais tranquila", afirmou à TV Caracol.

O filho Federico, de 22 anos, reconhece que gostaria de ter a m√£e por mais tempo, mas afirma que aceitar a decis√£o da eutan√°sia é o "maior ato de amor" que j√° fez. "Em princ√≠pio preciso da mam√£e, quero ela comigo, quase em qualquer condi√ß√£o. Mas sei que em suas palavras ela j√° n√£o vive mais, apenas sobrevive", disse.

Bispo pede que Martha repense decis√£o

Como a maioria da popula√ß√£o colombiana, Martha se declara muito católica. Por isso, integrantes da Igreja colombiana pedem que ela reconsidere a decis√£o de interromper a vida j√° neste domingo. Francisco Ceballos, bispo de Riohacha, defendeu que "a morte n√£o pode ser a resposta terap√™utica à dor e ao sofrimento em nenhum caso".

"Quero dizer à minha irm√£ Martha que ela n√£o est√° sozinha e que o Deus da vida sempre nos acompanha, e que sua tribula√ß√£o pode encontrar um sentido transcendental, uma chamada ao amor que se renova", pediu o bispo, em v√≠deo divulgado nas redes.

Fonte: G1

Comunicar erro

Coment√°rios