Pesquisa mostra que cariocas e fluminenses não se preparam para a velhice

Por adm em 12/10/2021 às 07:52:34
Metade dos entrevistados entre 55 e 64 anos admite nunca ter se preocupado com uma rotina de cuidados preventivos com a saúde O Rio de Janeiro concentra uma das maiores populações de idosos do país e, por isso mesmo, pode funcionar como uma espécie de laboratório sobre o envelhecimento. No entanto, se dependermos dessa referência, a situação não é boa: de acordo com pesquisa realizada pela consultoria Hype50+ para a operadora Leve Saúde, cariocas e fluminenses da Região Metropolitana não estão se preparando como deveriam para a jornada da longevidade.

Envelhecimento: metade dos entrevistados entre 55 e 64 anos admite nunca ter se preocupado com uma rotina de cuidados preventivos com a saúde

Pasja1000 para Pixabay

O objetivo do levantamento foi traçar um perfil sobre hábitos e a saúde de pessoas com mais de 55 anos, moradoras dos municípios do Rio, de Niterói e Duque de Caxias. A pesquisa qualitativa teve dez grupos on-line, com 42 participantes: homens e mulheres, com e sem convênio médico, das classes A, B e C. Foi criado ainda um grupo de cuidadores de idosos com mais de 75 anos, também com e sem convênio, das classes B e C. Além disso, o trabalho quantitativo teve 1.005 entrevistas presenciais.

Apesar da consciência sobre a importância da prevenção, há uma grande distância entre saber e a prática. Metade dos entrevistados entre 55 e 64 anos admitiu nunca ter se preocupado com uma rotina de cuidados preventivos com a saúde. O percentual é maior na faixa entre 65 e 74 anos (61%) e acima dos 75 (60%). Interessante é que 57% dos que estão entre 65 e 74 anos avaliam sua saúde como boa ou ótima, mesmo que sejam portadores de doenças crônicas. No grupo dos 55-64 anos, o percentual é de 63%.

O estudo utilizou os parâmetros da faculdade de saúde pública da Universidade Harvard (EUA) sobre cinco hábitos que poderiam prolongar a vida em pelo menos uma década: alimentação saudável, atividade física, peso controlado, consumo reduzido de álcool e não fumar. Com base nesses critérios, 52% declararam ter uma dieta equilibrada, 41% realizam atividade física, 54% afirmaram controlar o peso e 95% entendem o risco do tabagismo, mas apenas 29% têm conhecimento sobre a necessidade do consumo moderado de álcool. Apesar de não ter sido o principal foco da pesquisa, ficou clara a relevância da figura dos cuidadores familiares, sendo que a maioria deles (56%) era composta por filhos dos idosos. Entretanto, eles reconhecem não estar preparados para a demanda física, emocional e financeira dessa rotina.

Fonte: G1

Comunicar erro

Comentários